Postado por Bianca Maddox Entrevista de Jamie McGuire para o Kirkus Reviews

Jamie McGuire encontrou o sucesso na publicação independente com Belo Desastre, best-seller internacional do gênero New Adult. O romance seguinte, Desastre Iminente, estreou em primeiro lugar nas listas de mais vendidos do New York Times, USA Today e Wall Street Journal. Bela Distração, primeiro livro da série Irmãos Maddox, também alcançou o primeiro lugar no New York Times. McGuire também escreveu um thriller apocalíptico, eleito o melhor livro de distopia de 2014, Red Hill; a série Providence, uma trilogia Young Adult de romance paranormal; Apolonia, um romance sci-fi obscuro; e uma série de novellas. Ela mora em Steamboat Springs, Colorado, com o marido e três filhos.

O que te levou a autopublicar e quando você começou?

Quando eu terminei meu primeiro romance, Providence, eu fiz uma quantidade enorme de pesquisa sobre como publicar e sobre agências literárias e agentes. Eu mandei cartas de apresentação para os meus 15 favoritos e aguardei. Depois de receber 14 formulários de rejeição e um email de uma agente com conselhos, eu segui o conselho dela e me preparei para mandar a carta outra vez. Mas quando chegou a hora, eu não fiz. A autopublicação já estava no meu radar e eu não queria ninguém mais me dizendo que eu poderia publicar. Em janeiro de 2009 eu comecei a escrever meu primeiro livro e em janeiro de 2011, eu fiz o upload do manuscrito no programa de publicação direta da Amazon.

Qual é o aspecto mais agradável ou mais revelador da autopublicação para você?

Chegar à lista do New York Times com títulos autopublicados e com preços medianos tem sido extremamente validador. Começar minha carreira sozinha, e voltar à publicação independente depois de assinar dois contratos com uma editora tradicional e continuar fazendo sucesso, também é. Nesse tempo, entretanto, muita coisa mudou e eu me vi fazendo perguntas ao invés de respondendo. Você tem que fazer perguntas e fazer a pesquisa, ou você vai deixar de ganhar algumas ferramentas que você precisa para sobreviver.

Defina preço mediano. Quando você cobra?

5.99 dólares.

Você mencionou mudanças na indústria. Que tipo de mudanças você vê?

Estratégias de marketing – como matéria de fundo, distribuição de propaganda, escolha de escrever continuações ou não, novellas ou não, séries ou romances únicos – mudaram. O dinheiro dos leitores está distribuído em dezenas de milhares de livros autopublicados ao invés de centenas, ou seja, menos royalties por mês. Nós temos que decidir entre conceder exclusividade para os revendedores em troca de divulgação ou royalties mais elevados. O ponto de corte no número de vendas apenas para se manter competitivo aumentou – costumava ser 35.000. Agora nós precisamos de no mínimo 18k em pré-vendas apenas para chegar ao top 100 da Amazon.

Indie_SomethingBeautiful_Jacket

Qual é o seu conselho para escritores que estão consideram a publicação independente?

Faça. Termine seu livro, revise, garanta que ele tenha uma capa profissional, formatação e edição, e faça o upload. Eu ouço diferentes verdades todo dia a respeito do que as editoras estão procurando. Alguns dizem que estamos voltando aos tempos antigos, e se você já autopublicou, as editoras não estão interessadas. Outros dizem que as editoras ainda estão procurando autores que provem a si mesmos com vendas e coloquem seus livros nas listas de best-sellers. No tempo em que você poderia estar esperando a resposta de uma carta de apresentação, você poderia recuperar o que gastou com freelancers.

Poornima Apte é a uma freelancer de Boston com uma paixão por livros.

Fonte | Tradução: Karina Matos

Comentários