Postado por Bianca Maddox Especial: Happenstance

Happenstance é o primeiro livro de uma trilogia de Jamie McGuire onde os três livros receberam o mesmo título com o diferencial de, Happenstance parte 1, parte 2 e parte 3. Ele foi publicado nos Estados Unidos no mês de maio contendo um capítulo de Beautiful Oblivion (Bela Distração), que seria o próximo lançamento da autora. Confira a capa e a sinopse abaixo:

download

 

Sinopse:

A #1 New York Times Bestseller, Jamie McGuireretorna em uma nova série nesse jovem adulto. O livro gira em torno deErin Easter, uma das três Erins na pequena classe do último ano da escola secundária na rural Blackwell High School, e elas não somente compartilham os nomes como também seus aniversários.

Erin Easter, criada por uma mãe solteira negligente, é reservada e admiraWeston Gatesde longe. As outrasErins, Erin “Alder” Alderman e Erin “Sonny” Masterson, são as queridinhas da comunidade: filhas das duas famílias mais ricas da cidade, as melhores amigas, as líderes de torcidas, e tudo que Erin Easter não é — e elas nunca deixam que ela se esqueça disso. Alder inclusive namora Weston desde a oitava série.

Westoné uma estrela do esporte muito querido, e filho de dois proeminentes advogados. Ele luta diariamente com as pressões da vida por carregar o sobrenome de sua família, e secretamente simpatiza com o sentimento de Easter de que ela pertence a outro lugar; a uma vida diferente. Só depois que ele começa secretamente a sair à noite com Easter ele ganha coragem para contrariar as expectativas e reconhecer seus sentimentos… tanto sobre o futuro quanto por ela.

Uma tragédia chocante abala a pequena cidade, e a vida de Easteré virada de cabeça para baixo da melhor forma possível. Mas quando a verdade é revelada e tudo o que ela pensa que ela queria cai em seu colo, à vida só se torna mais complicada.

O livro, apesar de ser um “jovem adulto” bem curtinho e com uma história tão fofa, aborda um tema muito polêmico: o Bullying. E em uma entrevista exclusiva com o blog Travis And Abby, Jamie disse que já sofreu bullying quando criança e que para ela foi importante mostrar, através do livro, como uma pessoa ainda pode superar esse comportamento.

“Eu fui intimidada toda a minha infância, e eu sinto que em algum momento todos em suas vidas experimentam algum tipo de bullying. Foi importante para mim, mostrar como você pode ainda superar esse comportamento. Que você ainda pode ser uma pessoa adorável que ama a si mesma, em vez de tratar os outros mal, porque você estava sendo tratada assim, ou criticar a si mesmo, porque os outros são tão críticos a você. Espero que os leitores ao terminar Happenstance, deixem-se acreditar que eles são melhores do que a negatividade dos outros, e que não mereciam ser tratados mal e que o amanhã será melhor.” – Jamie McGuire

E nesse post “Especial: Happenstance”, trazemos o primeiro capítulo do livro. Confira:

1013540

.
“-Vá para casa. Apague as luzes. E se mate.Erin Alderman franziu a testa, puro ódio em seus lindos olhos castanhos mel. Ela conduzia um grupo de nove líderes de torcida do outro lado da pequena janela retangular. Mas o vidro não era a única coisa que nos separava.Nove pares de olhos dançavam entre elas e eu no meu avental preto sujo de milkshake de chocolate e calda de chocolate. Elas estavam gostando do show, mas nenhuma delas olhou diretamente para mim.

Erin Masterson, a melhor amiga e co-capitã do esquadrão cheer de Erin Alderman, estava segurando a Banana Split Blizzard que eu tinha acabado de fazer para ela com vingança em seus olhos. Ela era tão maravilhosamente bem arrumada como sua melhor amiga, mas em vez de um longo e esvoaçante cabelo dourado como o de sua amiga, ela tinha longos e esvoaçantes cabelos castanhos. “Eu disse com cobertura de nozes. Você tem uma simples tarefa: colocar o sorvete em uma tigela, copo ou cone, e misturar os ingredientes. Se você não pode fazer um trabalho de salário mínimo, em um Dairy Queen, aos dezessete anos, como você espera operar diariamente em sua vida adulta? Você deve desistir agora, Erin. Morrer com dignidade.”Erin Masterson não estava se referindo a sua melhor amiga. Ela estava falando comigo. Erin Easter, a terceira Erin em nossa classe no último ano. Elas não foram sempre minhas inimigas. No Jardim de infância e Primeiro grau, tentamos passar cada momento acordadas juntas: nossos pais e professores nos colocaram apelidos para evitar confusão. Erin Alderman era conhecida como Alder. Erin Masterson era Sonny. O meu nome era simples: Easter. Nós três não só compartilhávamos o mesmo nome, mas o mesmo dia de aniversário: primeiro de setembro. Elas iam para casa com seus pais, que eram membros do clube de campo e eventualmente chefes dos maçons e da associação de pais, e eu ia para casa com minha mãe, que tinha apenas 20 anos e não tinha ninguém para ajudá-la, nem sequer meu pai. Nossa amizade mudou drasticamente na quinta série, quando por razões que eu ainda não tenho certeza, me tornei o alvo favorito das Erins. Agora, em nosso último ano do ensino médio, eu acima de tudo tentei evitá-las, mas elas gostavam de me visitar no Dairy Queen onde trabalhava nos fins de semana e quase todos os dias depois da escola.

Eu puxei a janela deslizante e empurrei minha mão através dela. – Sinto muito. Dê-me isso e eu faço de novo.

Frankie me bateu para o lado com o quadril, arrancou o copo da mão de Sonny, tirou o grande pedaço de sorvete marrom com pedaços de amendoim e jogou no lixo. Ela colocou uma meia dúzia de nozes, e entregou-o de volta. “Eu não vou perder toda uma xícara de sorvete, porque sua mãe não te ensinou como lidar com desapontamento. Vá para o inferno” disse ela, sacudindo a cabeça para o lado. 

“Deixarei que minha mãe saiba como você se sente sobre a sua educação, Frances.” – Sonny cuspiu as palavras, assegurando de chamar Frankie pelo primeiro nome, o nome que ela odiava. “Tenho certeza que sua criação faz de você um especialista.”

Frankie sorriu educadamente. “Esse termo é para cães, Masterson. Ninguém além de sua mãe chama os seus filhos assim.” As Erins fuzilaram Frankie, e em seguida, toda as dez meninas se afastaram como uma única unidade.“Sinto muito” disse, olhando para as líderes de torcida alegremente andando do outro lado da rua, energizadas por seu confronto.
Frankie franziu o cenho e colocou a mão sobre a curva de seu quadril. “Por que você está se desculpando? Eu já lhe disse cem vezes, mas vou dizê-lo novamente. Deixa de ignorar os que fazem essas idiotas. Isso só torna pior. Ignorar não funciona com abusadores como eles. Acredite em mim, eu sei.” 

“Apenas mais três meses, embora” Eu disse, lavando o leite pegajoso e açúcar das minhas mãos.

Frankie suspirou e olhou para o teto com um grunhido. “Lembro-me da graduação. Uma das melhores noites da minha vida. Toda essa liberdade, apenas esperando para ser experimentada. Tudo estava na minha frente: verão, Universidade, ter vinte e um.” O olhar sonhador em seus olhos desapareceu, e ela limpou o balcão. “Uma noite com Shane foi o suficiente para fazê-la desaparecer. Sete anos mais tarde, eu estou no mesmo trabalho que eu tinha no colégio.” Ela balançou a cabeça e riu uma vez, esfregando um pedaço teimoso de chocolate seco do balcão. “Eu não trocaria meus filhos por nada no mundo, apesar de tudo.”Um dos cantos da minha boca levantou enquanto observava Frankie refletir sobre as decisões que a mantinham no Dairy Queen. Ela contava com a sorte de ter um emprego. A petroleira tinha se mudado, e todos os empregos bem remunerados foram junto com ela, assim um salário no Dairy Queen era tão bom quanto qualquer coisa em nossa cidade em crise. O telefone tocou, e Frankie atendeu. “Não, Keaton, não pode comer o pote de manteiga de amendoim. Porque eu disse. Se você está com fome, então come uma banana. Então você não está com fome! Eu disse que não, e é isso. Coloca a Nana no telefone. Oi, mãe. Tudo bem. O mesmo de sempre. E quanto a você? Ok. Não, Kendra tem dança ás seis. Kyle tem baseball às sete.” Ela sorriu. “Tudo certo. Eu também te amo. Tchau.”

Ele desligou o telefone e se virou para mim, espelhando o olhar estranho no meu rosto.

“Você perdeu um?” eu perguntei.Frankie riu. “Não. O bebê está dormindo, graças a Deus.”Ela limpou os balcões novamente, e eu limpei a bagunça da banana split Blizzard da Sonny. Nosso Dairy Queen estava em um dos menores prédios e mais antigos de Blackwell, um pequeno ponto no mapa de Oklahoma. Os proprietários, Cecil e Patty, ficavam mais do que felizes em deixar estranhos irem para tirar fotos do seu único edifício estilo anos cinquenta. Os clientes podem pedir em uma das duas janelas de correr em frente, ou na loja de Drive-Thru no lado sul. Quase não havia espaço para Frankie e eu nos movimentarmos ao redor, e muitas vezes esbarrávamos uma na outra, quando tínhamos uma avalanche de clientes depois de jogos de beisebol ou durante a semana de feira. Um solitário banco na sombra foi colocado na lateral do edifício para clientes que queriam ficar por aqui para comer seus cones de sorvete e cachorro-quente, mas estava geralmente vazio.

“Ah, que bom. O treino acabou,” disse Frankie, observando os vários carros e caminhonetes pertencentes à equipe de beisebol pararem em seus lugares no estacionamento de cascalho na rua. Vários deles entraram no DQ e estacionaram, uma dúzia de garotos suados saltaram e atravessaram o asfalto para a minha janela. Frankie abriu a dela, e duas linhas foram formadas.

Weston Gates teve que se inclinar para baixo para olhar para mim, seus olhos encontram os meus através de seus desgrenhados fios de cabelo castanho, ainda molhados de suor. Sua camiseta cinza escuro dizia Blackwell Maroons. As letras maroons desgastadas pelas inúmeras lavagens durante o seu agora quarto ano de futebol, basquete e beisebol na escola. Seu pai era um atleta na Blackwell High School, também, e sua mãe e irmã mais velha Whitney, eram ambas as capitãs das líderes de torcida. Whitney estava agora no seu segundo ano de faculdade na Universidade de Duke, indo para sua graduação em Direito, e ela raramente voltava para casa. Eu não a conhecia bem, mas ela tinha belos e, amáveis olhos, assim como Weston.

“Qualquer coisa, Erin. Tudo é bom” disse ele com um sorriso tímido.

“Você acabou de dizer que ela era boa, Wes?” repreendeu Brady Beck “Como você sabe? Eu não sabia que você já passou por favelas.”.

Os outros caras riram e fizeram barulhos estúpidos.

As bochechas de Weston já estavam coradas pelo treino, fazendo-as parecerem como se alguém tivesse passado um pincel de tinta vermelha clara entre elas e lhes dado um tapa…duas vezes. Elas estavam dois tons mais escuros. O rubor de suas bochechas contra os seus olhos esmeralda fazia os parecer ainda mais brilhante. Eu estava tentando não olhar para aqueles olhos desde a escola primária, e desde que Alder colocou os olhos em cima dele na oitava série, eu tentava ainda mais.“Ignore-os, Erin. Eles são idiotas.” Ele engasgou um pouco quando ele falou, em seguida, virou-se para tossir na dobra do cotovelo.
Fiz pra ele um cone de morango simples – tamanho extra, porque sabia que era seu favorito – peguei o seu dinheiro, e o vi soltar o seu troco no meu frasco de gorjeta de plástico. “Obrigado,” disse ele, dando uma grande mordida no topo, enquanto caminhava de volta para sua caminhonete.

Os outros caras não foram tão amigáveis, e a maioria deles nem sequer olhou em meus olhos. No entanto, eu estava acostumada com isso. Crescer com uma mãe que já tinha visto o interior de uma cela de prisão mais de uma vez, os outros pais não eram tímidos sobre como manter seus filhos longe de serem corrompidos pela filha de Gina Easter. Embora minha mãe nem sempre foi tão ferrada. Ela era a rainha do baile de Boas-vindas de Blackwell em 1995. Eu só sabia disso por que tinha visto entre as fotos. Ela era linda, com sua franja loira provocativa de lado e volumosa, bochechas saudáveis que levantavam seus grandes olhos castanhos em fendas. 

Como Frankie, Gina era uma jovem mulher grávida. Ao contrário de Frankie, ela deixou que o ressentimento mudasse os seus sonhos por causa de um bebê não planejado que se tornou insustentável demais, ela então se envolveu com álcool. E a maconha. E com o passar dos anos acrescentou às crescentes decepções na pilha, qualquer droga era suficientemente boa se ela a ajudasse esquecer o que ela poderia ter sido. Eu não teria me importado tanto se isso tivesse entorpecido sua raiva, mas quase todas as noites adicionava uma caixa de Keystone Light , para sua raiva isso apenas a deixava pior.

Todas as noites, quando Frankie apagava as luzes e dizia sua frase favorita, eu estremecia, sabendo que era hora de ir para casa de Gina.

“Adios bitchachos!”

“Não se esqueça que eu tenho uma reunião do ultimo ano amanhã depois da escola, então eu vou chegar um pouco tarde.”

“Eu lembro” ela disse, pegando sua bolsa e as chaves. Ela abriu a porta para mim. “Carona?”Eu balancei minha cabeça. Toda noite ela me perguntava, e todas as noites eu dizia não, e é por isso que ela sempre fazia uma perguntava sobre isso. Eu vivia a apenas cinco quadras depois do DQ, de qualquer maneira, e o primeiro dia da primavera estava prestes a acontecer.As solas dos meus sapatos esmagavam o cascalho solto junto ao meio-fio enquanto eu caminhava pela rua escura. Apenas as áreas aleatórias em torno da cidade tinham calçadas, e o caminho mais curto para a minha casa não era um deles. Alguns carros passavam por ali, mas era mais uma noite tranquila de quinta-feira. Nenhum tráfego vindo da Igreja, nenhum tráfego dos jogos. As quintas eram minhas noites favoritas de ir a pé para casa.

Eu subi os degraus de concreto para a varanda, e a porta de tela choramingou quando abriu. Eu podia ouvir a música de Gina do outro lado da porta, e hesitei apenas o tempo suficiente para mentalizar a mim mesmo para o que me esperava do outro lado. 
Quando a porta se abriu, e eu vi que a sala estava vazia, corri para o meu quarto e fechei a porta.

A música estava vindo do seu quarto, no final do meu corredor. Eu podia sentir o cheiro de maconha assim que eu entrei, então, ela provavelmente estava fumando e relaxando em sua cama, o que era sempre preferível a uma fúria de bêbado.

Os nós do meu avental facilmente se desamarraram, e eu tirei o resto das minhas roupas, jogando-os em uma cesta cheia. Quase todas as noites eu estava cansada demais para lavar a roupa, por isso acumulava até que eu levasse para a lavanderia a poucos quarteirões ao sul do Dairy Queen. Estar sozinho em Suds & Duds era assustador à noite, então eu preferia esperar até o inicio da tarde de sábado. Gina estaria acordada a essa altura, e era uma boa desculpa para sair de casa antes do trabalho.Eu deslizei em uma camiseta enorme, preta desbotada que dizia OAKLAND RAIDERS. Eu achava que era do meu pai, mas não tinha certeza. Isso poderia ser uma das peças escolhidas aleatoriamente por Gina em um brechó. Mas por alguma razão, eu gostava de pensar que era dele – quem quer que ele fosse – e usá-la fazia o palácio de cupins infestado de baratas que vivíamos, se parecer um pouco mais como uma casa.
Sentei-me no tapete verde no meu quarto. Ele já foi uma coisa felpuda, mas tornou-se um emaranhado com o passar dos anos e se parecia mais à pele de um animal muito feio. Eu tinha uma página de Álgebra II para terminar; então me arrastei pelo corredor até o banheiro para lavar meu rosto e escovar os dentes com a letra abafada de Soul Asylum. Gina estava definitivamente drogada. “Runaway Train” era sua canção quando ela ganhava uns centavos para o saco de maconha.De volta ao meu quarto, sentei-me na beira da minha cama e vi meu reflexo no espelho acima da cômoda. Eles eram do brechó, como tudo em nossa casa. O espelho cambaleava quando alguém caminhava pelo meu piso, e a maioria das gavetas não abriam direito, mas elas completavam a sua função, e isso é tudo que eu precisava. Eu penteei meu cabelo castanho escuro para longe do meu rosto até que a escova poderia passar todos os fios sem prender, em seguida, alisei para trás em um rabo de cavalo.As molas envelhecidas da minha cama reclamaram quando eu rastejei para debaixo das cobertas. O ventilador de teto balançava quando se virava lentamente, me embalando para dormir enquanto qualquer música que Gina estava escutando, cantarolava através paredes. Eu tomei uma respiração profunda. O dia seguinte seria longo. A reunião do ultimo ano era obrigatória, e eu temia ir. Eu geralmente evitava funções escolares, só para salvar a mim mesmo da humilhação sofrida nas mãos das outras Erins. O Ensino médio me ensinou que qualquer tentativa de socializar não valia a pena pelas inevitáveis piadas e, por vezes, o assédio moral que se seguia. Às vezes, os professores intervinham, mas a maioria deles não fazia isso. As Erins, juntamente com Brady Beck e alguns de seus amigos, apreciavam somente uma coisa mais do que me provocar – me fazer chorar. Isso sempre me pareceu ser o objetivo, e quanto mais eu resistia, mais duro tentavam. Assim, nos últimos quatro anos, eu sustentei a escola, o trabalhar e a mim mesma. Eu tinha ganhado uma bolsa de estudos, e entre isso e os subsídios, eu estaria conseguindo dar o fora do inferno Blackwell, para longe das Erins, Brady e Gina.

Estendi a mão e puxei a corda da lâmpada. Por mais que Sonny realmente quisesse que eu fizesse, eu não apagaria a luz e me mataria. Eu estava indo descansar, salvar a minha força para mais um dia esgotante. Amanhã me levaria um dia mais perto da liberdade que Frankie sonhou.”

E nesse mega post temos também mais um trechinho do livro ― que vocês podem considerar como um extra 🙂

1926939_388717584632418_5214831066341446730_n

 

Trecho:

“O que você está lendo?” Uma voz profunda pergunta de um assento atrás de mim

Eu mal reconheci a pergunta do Weston, segurei a capa do meu livro alto o bastante para que ele pudesse ver o título.

Ele assentiu, esperando que eu falasse. Quando eu não falei, ele deu um pequeno sorriso e começou a sentar-se. “O que você está lendo?” Eu perguntei

Weston imediatamente se inclinou na minha direção e me mostrou a capa do seu livro do mesmo jeito que eu tinha feito.

“Piers Anthony?” Weston pigarreou para abafar uma tosse e depois sorriu “Eu gosto dessas coisas”

Assenti. “Eu aprovo”

“Bom,” Weston sussurrou. “Eu estava preocupado.” Depois de uma pequena pausa ele se cochichou na minha orelha “Por que você nunca fala comigo na aula de Artes?”

Nós temos aula de Artes juntos, eu esperei ansiosa pela aula o dia todo. Weston estava lá, mas o mais importante é que as pessoas como as Erins e o Brady não estavam. Nós somos sérios em relação ao nosso trabalho e esse é o único lugar da escola em que eu posso ser eu mesma

“Eu acho que eu estava ocupada”

“Você vai estar ocupada hoje?”

“Provavelmente sim”

“Bem, talvez eu tenha sorte e você faça uma pausa” Eu me virei para esconder um sorriso mas não antes de me virar para trás e ver o olhar de raiva nos olhos da Alder.

“Puta”, ela disse sem sair voz, me encarando.

E é por aqui que ficamos! Em breve teremos um “Especial: Happenstance 2” 😉

 

Comentários